quarta-feira, abril 24, 2013

Sobre sapos e vendedores de guarda-chuva




Só existe uma coisa mais enigmática em dias chuvosos do que sapo: vendedores de guarda-chuva. É incrível a sagacidade desses profissionais. Nos dias de céu límpido e o calor sufocante não se vê esses seres misteriosos. Mas é só o tempo mudar e nuvens carregadas aparecerem ao leste para eles surgirem junto.

Eu suspeito que esses mercadores sejam extremamente atentos à previsão do tempo nos noticiários, anotando com precisão quando vai chover, o momento e duração da chuva e quando ela vai parar. Com todos os dados conferidos, correm a reservar o número exato de dispositivos que irão vender e mãos à obra.

Enquanto a chuva não vem, ficam ali camuflados no meio da multidão, a espera das primeiras gotas. É São Pedro ligar o chafariz celeste, pronto! Inacreditavelmente surgem com dezenas de modelos, tamanhos e formatos como se os guardassem na cartola. São verdadeiros mágicos da rua. Em um malabarismo incrível vão anunciando os modelos e os valores.

Àqueles que saíram de casa sem os dispositivos de proteção restam apenas duas alternativas: tomar um belo banho ou ceder aos encantos dos vendedores e adquirem um guarda-chuva que, provavelmente, esquecerão no primeiro destino.

De uma hora para outra as ruas de cidades chuvosas se transforma em uma espécie de Londres, repleta de guarda-chuvas, e os moradores a andarem apressados embaixo de suas tendas ambulantes.

O mais engraçado de tudo é que parece que os mercadores das chuvas carregam a quantidade exata de dispositivos para a duração da chuva. Acabada a chuva, fim do estoque. Retornam no dia seguinte junto com a chuva. Se por ventura fizer bom tempo, ficam acompanhando a meteorologia, formando um novo banco de dados e contatando fornecedores.

Os mercadores torcem para que os compradores não levem tão a sério a previsão do tempo e voltem a comprar mais um dispositivo. Eu conheço pessoas que, por não acreditar na meteorologia, tiveram que adquirir três guarda-chuvas na mesma semana. Depois da chuva, um deles foi esquecido no metrô.

Nenhum comentário:

Postar um comentário