terça-feira, abril 16, 2013

Fé em deus e pé na tábua!



Desde criança, ouço falar que o Departamento Estadual de Trânsito (Detran) é a sucursal do inferno, uma bagunça total e  onde ninguém se entende; que os funcionários são assim, que o serviço funciona assado e que é bom evitar aquele “antro”. Sempre achei que fosse exagero, mania de brasileiro de reclamar de tudo que é serviço público.


Tive o desprazer de comprovar, hoje após iniciar o processo de minha carteira de habilitação, que tudo que foi dito ainda é pouco para descrever o Detran de Campina Grande. Primeiro de tudo: o local é mal sinalizado, falta informação e o serviço de pré-atendimento é realizado por autoescolas. Os astutos em negociação reinam no pedaço e conseguem coisas muito mais rápido. Segundo: os funcionários há exceção, trabalham como se tivesse com raiva do universo e você fosse o responsável por ele está assim.


Ao entrarmos naquele campo de guerra, havia uma fila enorme para se tirar fotos, mais de 50 pessoas para serem atendidas. Um aviso dizia “só atendemos 80 pessoas para o exame oftalmológico”. Noutro que está escrito “SENHAS AQUI”, não é lá que se retira as benditas fichinhas numeradas.


O representante da autoescola foi pegar as os recibos em ordem em uma máquina de autoatendimento, distante do guichê que estava escrito “SENHAS AQUI” e pediu que esperássemos ser chamados na tela acima dos sete guichês, com apenas dois funcionários atendendo.


Uma funcionária com seu coque e cara de mal humorada era o arquétipo do barnabé padrão. Enfunada em seus óculos, recebia os papeis com ponta de dedos e conferia a hora em seu relógio.


Eu estava com a ficha 075. Quando chegou à 034 o “sistema caiu”. Um funcionário começou a berrar que só atenderia reteste. Não disse se o bendito programa voltaria ou ficaria como os funcionários, rodando de sala em sala. Umas cinquenta pessoas foram embora se queixando que o “sistema tinha caído novamente”. Duas autoescolas levaram seus clientes.


O tempo foi passando, passando... quase duas horas depois, o sistema volta. O mesmo funcionário, que não explicava o motivo da “queda”, começou chamar as senhas. Outra atendente chegou para substituir a do coque. A última havia indo embora, saiu às 10h e poucos minutos. Nós que havíamos chegado por volta de 8h fomos sair depois de 12h apenas para nos cadastrar, tirar as fotos e colher as digitais.


Esta última etapa foi bem rápida e a funcionária era sorridente. Tirou a foto com uma câmera digital moderna. Para a coleta das digitais, usou um escâner moderno e um suporte também digital para colher nossa assinatura.


Antes de sair presenciei uma discussão de uma funcionária do departamento com um senhor sexagenário, como disse. Ela queria furar a fila e colocar um protegido seu antes dos outros. Ele não aceitou e houve bate-boca. Outra funcionária acalmou os ânimos.


Aqui ali, alguém dizia que havia recebido uma proposta de pagar R$ 1.400,00 e receber a carteira sem nem fazer os testes. Um colega de empreitada disse que tinha recebido a proposta, não de um funcionário, para ter sua habilitação por um pouco menos que isso, só não aceitou porque ainda achou caro, “mas se tivesse o dinheiro teria topado”, pois ficar naquela fila e tomar uma maçada daquelas...



Não é de se estranhar que nas ruas o trânsito seja o caos que é. Se o departamento de trânsito é essa bagunça. Saí de lá com a seguinte constatação: o número de autoescolas e despachantes prolifera cotidianamente porque ninguém quer passar por maçadas assim. Se a burocracia é daquela forma, não se admira que tanta gente use do jeitinho brasileiro para conseguir sua carteira de habilitação.


Se as regras de trânsito e a legislação devem ser aprendidas para manter a civilidade, na realidade das ruas “a democracia e o bom senso ali requeridos se invertem, e a maioria descobre, sob pena de ser sistematicamente agredida ou perder a vida”. As ruas pertencem aos que estão dentro de seus respectivos veículos ou montados em suas motos. O resto é perfumaria.


É preciso tirar logo sua carteira, benzer-se ao sair de casa e, como diz Roberto daMatta, fé em Deus e pé na tábua. Salve-se quem puder. É por isso que o trânsito é essa máquina de moer gente. Civilidade fica no papel; na realidade, as estatísticas de morte e mutilações por motoristas que pisam na tábua, com ou sem fé em Deus e não importa como conseguiram a carteira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário